Índices: TV Paga teve “Forte Queda” de Assinantes em Abril!

Resultado de imagem para tv paga desligado

O mercado de TV por assinatura teve uma queda acentuada na base de assinantes em abril, segundo dados da Anatel divulgados nesta quarta, 14. O mercado perdeu em um mês 147 ,6 mil assinantes (0,8%). Todas as operadoras tiveram queda, à exceção da Oi. A maior queda foi do grupo América Móvil, que fechou com 9,620 milhões de clientes, ou seja, 120 mil clientes a menos no mês (queda de 47,7 mil nas operações de cabo e 72 mil no DTH). A segunda maior operadora, a Sky, caiu 48,6 mil clientes, fechando abril com uma base de 5,54 milhões de clientes. A Vivo TV caiu 1,5 mil clientes, para 1,66 milhão de clientes. Apenas a Oi TV cresceu, nada menos do que 22 mil assinantes, chegando a 1,37 milhão de assinantes. As pequenas operadoras registraram queda 23 mil clientes e totalizam 472 mil clientes.

Desligamento analógico pesou?

Resultado de imagem para tv paga desligado

O número de abril era especialmente aguardado para ajudar a entender se o conflito entre as emissoras de TV aberta representadas na Simba e as operadoras de TV por assinatura poderia estar provocando uma debandada em massa da TV paga. Ficou claro que houve uma queda. Esta queda acentuada, portanto, poderia ser atribuída ao cancelamento de assinantes nas regiões metropolitanas de São Paulo e Brasília por conta do desligamento de TV analógica ocorrido no final de março, com subsequente corte dos sinais das emissoras SBT, Record e Rede TV?

Os dados não permitem afirmar categoricamente nem que sim nem que não. Tanto São Paulo quanto Brasília ficaram próximas da média percentual de queda do mercado no mês em outras cidades. Em São Paulo, por exemplo, o número total de desconexões foi de 22 mil no mês de abril (0,8%). Em Brasília, 8 mil (1,4%). Mesmo nas cidades das regiões metropolitanas destas cidades a queda esteve na média do mercado. Em abril, Guarulhos, a segunda maior cidade da grande São Paulo, perdeu 4 mil assinantes (2%, sendo a maior queda percentual), São Bernardo do Campo perdeu 1,7 mil (0,9%) e Osasco 1 mil (0,9%). Todas elas com um percentual de queda da ordem de 0,8% a 1% no mês. A cidade de São Paulo havia apresentado, no mês de março, um ligeiro aumento de base de assinantes, com 9 mil clientes a mais em relação ao mês anterior, mas entre fevereiro e março havia perdido 24 mil assinantes, mais do que em abril portanto. Não há, portanto, uma tendência que tenha sido alterada.

Grandes cidades como Rio de Janeiro e Belo Horizonte perderam assinantes em um percentual ainda maior em abril, acima de 1%. O Rio, por exemplo perdeu 15 mil assinantes (1,1%) e BH ficou com 6 mil assinantes a menos em abril (1,2%). Nem Rio de Janeiro nem Belo Horizonte passaram ainda pelo processo de desligamento da TV analógica.

Autoria: SAMUEL POSSEBON (samuca@teletime.com.br)

Fonte: Tela Viva News/Teletime.

 

Anúncios

Calmaria e Queda no Setor de TV POR ASSINATURA!

Resultado de imagem para queda setor tv por assinatura

O desempenho do setor de TV por assinatura no Brasil nos últimos seis anos lembra o começo de uma montanha-russa. A partir de 2009, veio a subida íngreme, com crescimento alimentado pelo aumento no consumo da classe C. Em 2015, porém, o carrinho chegou ao topo, de onde dá indícios que vai despencar.

Entre cancelamentos e novas contas, a base de TV por assinatura no Brasil em 2015 encolheu em 500 mil clientes, a maior retração (em números relativos ou absolutos) desde 1994, dado mais recente divulgado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

A TV paga se aproximou dos 20 milhões de brasileiros. Tudo indica que demorará para passar a marca. Oscar Simões, presidente da Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (ABTA), resume: “o ano passado foi ruim”. Pior: a situação não tem data para voltar a melhorar. Hoje  a base de assinantes de TV Por Assinatura chega próximo a 19 Milhões apenas, comparado a proximidade dos 20 milhões no ano anterior, com dados atualizados pela ANATEL (Agencia Nacional de Telecomunicações).

Os Problemas e os Principais influenciadores:

Aqui apontamos os principais “Influenciadores” pela queda de assinantes de Tv a Cabo:

-Economia/Crise                                                                                                                                                       -Serviços de Streaming (Netflix, Youtube, Apps, Iptv)                                                                         -Sinal Digital (Gratuito)

O grande culpado dessa crise é a Netflix?

Netflix (Foto: Getty Images)                                                        Netflix (Foto: Getty Images)

 

Estima-se que a Netflix tenha cerca de 4 milhões de clientes no Brasil, ou um quinto de toda a base de TV paga em quatro anos e meio de operação. Segundo as palavras do CEO, Reed Hastings, a empresa está crescendo “como um foguete” no Brasil. Nem a crise, ao que parece, é capaz de diminuir esse ritmo. “Ainda que sejam tempos econômicos apertados, isso não segurou nosso crescimento” local, disse Hastings meses mais tarde.

Muitos desses 4 milhões, sem dúvida, desistiram da TV paga. É o caso de Roberto Muricy, de 36 anos. Após 17 anos como cliente da Net, o publicitário cancelou sua assinatura em novembro. “Achava o custo elevado. De todos os 90 canais [a que tinha acesso], assistia a 4 ou 5”, diz. Agora, só usa Netflix e alguns canais disponíveis no Apple TV.

O principal motivador foi a grana? “Não, foi um conjunto. A questão financeira influenciou, mas foi basicamente falta de uso.” O único problema é que Muricy tem de se programar para ir a casas de amigos ou bares para ver os jogos do São Paulo, seu time do coração. Ele não se arrepende.

Assim como Muricy, há outros. Só não se sabe ao certo quantos. A Netflix é uma sombra sobre as operadoras de TV paga no Brasil, mas é difícil atestar o tamanho do perigo. A empresa norte-americana não divulga informações oficiais sobre quantos usuários tem no Brasil e onde eles estão.

As operadoras de TV paga, por seu lado, alegam que não perceberam cancelamentos nem downgrades (quando o cliente contrata um plano mais barato) que sejam ligados à Netflix. Mas aqui vale o mesmo argumento: é difícil aferir a veracidade da afirmação se as empresas não abrem as informações.

Reed Hastings, do Netflix (Foto: Divulgação)
Reed Hastings, CEO da Netflix: Brasil cresce “como um foguete” (Foto: Divulgação)

Um argumento usado pelas operadoras para tentar explicar por que a Netflix não é um perigo é a qualidade da banda larga no Brasil. É uma desculpa que tinha mais lastro em 2011. Quando a gigante de streaming chegou, só um quinto das conexões do país tinham mais de 2 Mbps, segundo o IBGE.

Hoje, o cenário se inverteu. Dois terços das conexões de banda larga no país são mais rápidas que 2 Mbps, segundo a Akamai, suficiente para assistir ao catálogo da Netflix (a velocidade recomendada é 1,5 Mbps). A velocidade média de conexão é um número que só aumentará nos próximos anos.

Ter Netflix, por outro lado, não significa necessariamente abandonar a TV paga: 84% dos assinantes do serviço de streaming não cancelam suas assinaturas, segundo a consultoria TDG Research. O que muda, segundo o estudo, é a probabilidade de contratar serviços extras, como pay per view(FUTEBOL,FILMES,CANAIS A LA CARTE,e ETC).

Tudo isso faz da Netflix um rival em potencial para o setor. Mas, em 2015, o maior problema foi outro. O que nos leva ao coração da questão…

O grande problema do setor é a TV por satélite

grafico_TVpaga_2 (Foto: Época NEGÓCIOS)
(Foto: Época NEGÓCIOS)

O grande problema do setor atende por três letras: DTH. Sistema mais popular de TV por assinatura no Brasil, a TV por satélite (ou DTH, sigla de “direct to home”) foi quem afundou o setor em 2015. Sua base diminuiu em 830 mil clientes no ano passado.

No Brasil, o DTH é muito usado em áreas de menor densidade, quando não é vantajoso economicamente ou fácil instalar uma rede cabeada. Em cidades assim, é mais barato que o sinal venha de um satélite.

No caso do Brasil, áreas de menor densidade são também as com menor concentração de renda, segundo Márcio Carvalho, diretor de marketing da América Móvil, dona da Net. Em outras palavras: a TV paga por DTH é muito popular entre os mais pobres, aqueles que sentem os efeitos de uma crise econômica antes de todo mundo.

O DTH pode ser bom para áreas isoladas, mas se tornou um sucesso também dentro das cidades. O modelo de mensalidade mais baixa e planos pré-pagos fez com que o DTH pegasse no Brasil, razão pela qual você vê dezenas de antenas parabólicas cinzas com o logo das operadoras penduradas em janelas de prédios por aí.

Parte do sucesso veio a partir de 2010, com a ascensão da classe C. Para aproveitar essa onda, operadoras lançaram seus serviços DTH, como a Claro TV em 2012 (a partir de uma repaginada do Via Embratel), o Vivo DTH em 2010 (a partir de um serviço semelhante da Telefônica de 2007) e o Oi TV em 2014. Quem já os oferecia, como a Sky desde 1996, cresceu bastante.

O crescimento alto, porém, parou nos últimos dois anos e começou a desacelerar. Em 2015, tão rápido quanto cresceu, o setor passou a despencar.

Antenas offset, as chamadas mini antenas parabólicas (Foto: Reprodução/YouTube)
(Foto: Reprodução/YouTube)

A campeã no quesito foi a Claro TV, que fechou 2015 com 650 mil assinantes a menos, ou quase um quinto da sua base. O resultado foi tão ruim que arrastou os resultados da América Móvil no setor. A Net, outra operação do conglomerado em TV paga, ganhou 365 mil clientes no ano, mas a situação da Claro TV eclipsou o bom desempenho. Em 2016, o cenário continuará assim, para Carvalho: a Claro TV perdendo clientes DTH e a Net ganhando no cabo.

Logo atrás aparece a Sky, com 199 mil assinantes a menos. Procurada, a Sky não quis falar para esta reportagem. Em terceiro ficou a Oi TV, com menos 134 mil clientes. A queda é resultado de uma estratégia azarada da Oi. Após anos fora do setor, a empresa lançou sua Oi TV em março de 2014. Com um preço agressivo, a operadora conseguiu fechar aquele ano como líder em adição de clientes. Em 2015, a estratégia mudou: a Oi aumentou os preços e apostou em convergência. Foi um ano, segundo Bernardo Winik, diretor de varejo da Oi, de transição. A prioridade passou a ser pacotes de TV paga atrelados a conexões de banda larga e linhas telefônicas, o que o mercado chama de triple-play. “O cliente que só queria TV ia pagar mais caro do que se contratasse [o serviço] junto ao combo”, diz. O aumento de preço aliado à crise econômica resultou na perda dos clientes mais pobres.

É esse público que representa um perigo maior que a Netflix, em curto prazo, às operadoras. Quando a situação econômica aperta e as contas em casa começam a atrasar, a TV paga é um dos primeiros cortes.

Alguns estados ganharam novos clientes. Mas não são os que você acha

Gráfico TV paga 3 (Foto: Época NEGÓCIOS)Os números são porcentagens de variação na base de TV paga (Foto: Época NEGÓCIOS)

A teoria de Carvalho, da América Móvil, sobre a popularidade do DTH em estados mais pobres pode ser vista no mapa acima. Nele, estão os estados que mais ganharam e mais perderam clientes de TV paga, em comparação ao tamanho da sua base do serviço. Quem puxa a lista é o Amapá (perda de 14,87% da base), seguido por Alagoas (11,50%), Roraima (10,05%), Rondônia (9,21%), Tocantins (9,14%) e Mato Grosso (6,63%). Nesses estados, quanto mais vermelho, pior. Dos dez estados que mais perderam base relativa, nenhum está no Sudeste ou no Sul.

Os únicos quatro estados que ganharam clientes em relação ao tamanho da base no ano passado, pintados de verde-claro, também não fazem parte das regiões Sul/Sudeste. Menor estado do Brasil, o Sergipe puxa a fila (aumento de 9,79% na base), seguido por Amazonas (3,61%), Piauí (1,25%) e Distrito Federal (0,2%).

Se considerarmos só as conexões físicas, o mercado cresceu em 2015
Como contrapeso à queda abrupta do DTH, 2015 não foi um ano tão ruim para as conexões físicas. O sistema a cabo ganhou 296 mil assinantes, e a fibra óptica (conhecida no setor como o Fiber to the Home, FTTH) ganhou 75 mil, graças a serviços como o Vivo Fibra.

Em números absolutos, quem teve o melhor resultado em número de novos clientes foi a Net (365 mil a mais). Mas os péssimos resultados da Claro TV a soterraram e fizeram com que a América Móvil, dona de ambos os negócios, encerrasse o ano no vermelho. A Vivo ganhou 129 mil clientes e não teve outro serviço que a puxasse, o que mostra um desempenho melhor. “Investimos muito em alta definição. Isso ajudou muito”, diz Ricardo Sanfelice, vice-presidente da Vivo.

Não à toa, as duas empresas têm negócios sólidos de banda larga. “Nossa estratégia de banda larga, da GVT ou da Vivo com fibra óptica, ajuda a alavancar o de TV por assinatura”, diz Sanfelice. Um negócio puxa o outro. Resultado: em receita, a TV da operadora espanhola (aumento de 22,6%) cresceu mais que a banda larga (11,7%).

As vantagens de vender combos (com TV, internet e telefone), e não serviços separados, são claras: a margem de lucro é maior e a probabilidade que o cliente vá cancelar o serviço frente a qualquer instabilidade econômica é menor. “A hora em que coloco a TV dentro de um combo, a taxa de desligamento cai 50%”, diz Winik, da Oi. A operadora aprendeu na prática a amarga lição em 2015.

TV por assinatura parece um gasto sensível a crises econômicas

Gráfico TV paga 4 (Foto: Época NEGÓCIOS) (Foto: Época NEGÓCIOS)

Antes de 2015, a base de TV paga só tinha caído em outro ano desde 1994: 2002. Foi o ano da eleição presidencial que levaria Luís Inácio Lula da Silva ao seu primeiro mandato. O Brasil enfrentou uma crise de desconfiança que descambou para a disparada cambial.

Há duas explicações para a crise. Por um lado, o mercado financeiro via com receio as medidas econômicas que Lula tomaria ao ser empossado. Por outro, economistas como Luiz Carlos Bresser-Pereira alegavam que o problema eram as semelhanças que a economia brasileira demonstrava com a argentina, então atravessando uma das suas piores crises econômicas.

Em dez meses, o capital estrangeiro fugiu do país e a bolsa caiu 31,8%. O dólar disparou 56,24% e chegou a R$ 3,99, maior cotação até 2015. No fim das contas, a crise não impediu que o PIB crescesse 1,52%. Mas, frente às incertezas, muitos brasileiros cancelaram sua assinatura de TV paga. A base começou 2013 com 50 mil clientes a menos.

É um filme que se repetiu em 2015, com intensidade maior. A crise econômica, segundo as empresas do setor, é o grande culpado pela tropeçada. Muitos brasileiros, com a retração na economia brasileira e o aumento no desemprego, cancelaram seus planos de TV por assinatura.

A queda pegou o setor de surpresa. Há um ano, a ABTA estimava que, em dezembro de 2015, 19,9 milhões de brasileiros contariam com o serviço em suas casas, o mesmo número de janeiro. “A notícia boa, se é que há notícia boa, é que a queda foi menor que a média da economia (2,68% ante 3,8%, na ordem)”, diz o presidente Simões.
Mas o setor já tinha desacelerado antes da crise…

Gráfico TV paga 5 (Foto: Época NEGÓCIOS) (Foto: Época NEGÓCIOS)

Voltar a crescer não será tarefa simples. A explicação vai além do cenário econômico. Há uma tendência de desaceleração no crescimento do setor, que começou quando a economia ainda não dava indícios de recessão.

A partir de 2013, o crescimento no número de conexões de TV por assinatura, que vinha estável nos quatro anos anteriores, começou a cair. No ano passado, a variação virou negativa. Em outras palavras, o mercado passou a encolher.

O péssimo momento deverá continuar em 2016. Segundo Simões, da  ABTA, mais brasileiros deverão cancelar suas contas de TV por assinatura neste ano. Quantos, ele ainda não sabe. É uma impressão compartilhada com a maioria das operadoras.

Agora resta saber até quando esse crescimento a queda desenfreado no serviços de TV POR ASSINATURA vai se repercutir? oque restá é acompanhar e estar a tento ao mercado sempre pesquisando e comparando as melhores opções ok?! e o TAD te mantem informado c e por dentro de todas as novidades do setor!

Fonte colaborativa: Época Negócios, Anatel.

 

 

Vem Aí a Nova Edição da “ABTA” 2016 veja as Novidades!

A Feira e Congresso ABTA é referência nos debates sobre os rumos do mercado de TV por assinatura, com foco na inovação em serviços de vídeo. Destaque para novas tecnologias e soluções de distribuição de conteúdo como vídeo sob-demanda, IPTV, plataformas over-the-top (OTT), publicidade, satélites, TI, além das crescentes inovações na distribuição de conteúdos lineares e em alta definição.

abre_abta2016

As novidades da ABTA 2016, que acontece entre os dias 29 de junho a 1º de julho. O evento vai discutir o futuro da TV por assinatura, mas não há nenhum seminário específico sobre o 4K.

Tecnologia 4K ou ULTRA HD!

O 4K, ou UHD – Ultra High Definition, vem ganhando espaço na casa dos brasileiros nos últimos meses. Os televisores com a tecnologia que promete 4 vezes mais definição que os Full HD estão com preços cada vez mais competitivos. Há modelos para todo gosto e bolso e já encontramos em promoções modelos com valor inferior a 2 mil reais.

4K na TV paga:

Duas operadoras já deram os primeiros passos para a chegada de conteúdo 4K na televisão por assinatura no Brasil. No mês de maio, a ANATEL – Agência Nacional de Telecomunicações – homologou dois modelos Sagemcom para as operadoras Vivo e Claro, ambas via satélite.

CLARO HDTV – 4K ULTRA HD

A Claro vem com o modelo DSI384, mais simples e com menos recursos. O novo receptor tem duas opções de saída de vídeo: HDMI (que permite a qualidade 4K, quando disponível) e Vídeo composto (para conexão em televisores mais simples). O equipamento permitirá resoluções de 3840×2160 p60 e 4096×2160 p60. Já sendo compatível com os padrões HEVC, H265 e VP9.

VIVO TV (DTH-FIBRA) 4K ULTRA HD


Já a Vivo parece apostar mais alto no segmento e teve um modelo homologado mais “parrudo”. Além das qualidades já notadas no receptor da Claro, o modelo da Vivo trará ainda um disco rígido interno para gravação da programação (o DVR) e permitirá conexões com a internet através de um modem WiFi interno.

Previsão?: 
Os receptores foram homologados, mas ainda não há previsão de lançamento comercial. Muito provavelmente, a homologação se deu para que as operadoras pudessem realizar testes internos e demonstrações durante eventos especiais. Então, não adianta correr e ligar para a operadora pedindo migração imediata para um plano 4K, pois ele ainda não existe.

Outro problema é a falta de conteúdo 4K atualmente no mercado. Temos pouquíssimo conteúdo disponível e ainda não há nenhum canal linear comercial disponível. Então, calma, muita calma que o mercado ainda é muito recente e ainda estamos vendo as fases de testes.

Fase de Testes:

A Claro HDTV testou há algumas semanas duas transmissões em 4K no seu satélite. A programação exibia um vídeo em looping, que se repetia ao longo do dia. Mas isto significa que já vão lançar? Não sei a resposta, talvez sejam testes para verificar o comportamento do sinal, taxa de compressão necessária, tamanho mínimo de antena necessário, viabilidade comercial diante do espaço disponível e a quantidade de canais a serem transmitidos. Enfim, estamos com mais perguntas que respostas.

No exterior 4K Ativo pela VODAFONE:

Em outros países já começam a surgir os primeiros planos comerciais com conteúdo 4K. A Vodafone Portugal lançou recentemente seu receptor 4K (Imagem acima).

A operadora já oferece os canais Funbox 4K UHD e Insight TV UHD.

8K Transmissões:

A Globo e a NHK farão durante os Jogos Olímpicos a primeira transmissão terrestre em tempo real com conteúdo 8K (oito vezes maior que o Full HDTV). Será experimental e com recepção controlada.

8K TESTES:

A operadora Docomo e a Nokia realizaram recentemente a primeira transmissão ao vivo em 8K utilizando uma rede móvel em 5G, que permite velocidades superiores às conseguidas atualmente com a tecnologia 4G.
*Em breve você confere aqui no TAD durante a Semana da ABTA 2016 as maiores novidades e lançamentos exclusivos da Feira!

Vivo TV Fibra: Canais Premium FOX+ estreia no Line-up!

Os mais novos canais FOX+ chegaram na VIVO TV Fibra mas em pacotes “A La Carte” confira:

Os dois novos canais não irão compor a grade de canais e pacotes comum da operadora, e sim serão oferecidos de modo “a la carte”  o preço do a la carte “Fox Premium” é de R$ 32,00 mensais. Notem aqui que o preço dos canais FOX1 e FOX Action supera um pacote de 4 canais HBO oferecidos pela mesma operadora por R$ 25 contendo HBO, HBO 2, HBO Signature e HBO Plus.

O novo pacote Premium FOX+ está sendo oferecido apenas para os assinantes do serviço de Fibra ótica de São Paulo no momento, contendo os 2 novos canais FOX1 (que traz drama, comédia, terror e ficção científica) e o FOX Action (que oferece filmes e séries de ação, crime, suspense e eventos esportivos ao vivo).

Fonte: Exorbeo.

Dia da Migração: É o fim!, GVT passa agora a se chamar VIVO!

Oficialmente a marca GVT deixa de existir nesta sexta-feira, dia 15 de abril, para se tornar unicamente Vivo. A Telefónica já iniciou a nova fase de sua estratégia comercial no Brasil, com a adoção de “Vivo” como a única marca nacional. A partir de agora ela será utilizada para identificar todos os serviços oferecidos pela empresa: telefonia e internet móveis, banda larga e telefonia fixa, TV paga e serviços digitais.

A operadora passa a usar a assinatura “Viva Tudo”, representando a ampliação de possibilidades que as conexões e a vida digital oferecem. Leia também: Tudo o que você precisa saber sobre a franquia de internet A integração com a GVT possibilitou à Vivo oferecer nacionalmente, além de telefonia móvel, outros três serviços: banda larga, TV paga e telefonia fixa. Com isso a operadora diz consolidar sua atuação com oferta completa. Além de ofertar um portfólio 3P (banda larga, telefonia fixa e TV paga) nacional integrado ela prepara o lançamento de ofertas 4P (que incluem celular) e serviços digitais.

Para a junção das duas marcas a operadora empregou recursos da ordem de R$ 25 milhões, que foram investidos em mudança de uniformes, frota, material de vendas, equipamentos, fachadas além de operações pontuais de TI e engenharia. “Trabalhamos muito para que a união das empresas realmente trouxesse valor para clientes, colaboradores, acionistas e ao País, que vai receber mais investimentos, já que nos tornamos uma empresa mais forte e capitalizada”, afirma o CEO e Presidente da Telefônica Vivo, Amos Genish. O executivo aponta que a integração também foi fundamental para tornar a Vivo ainda melhor preparada na direção do futuro. “Estamos preparados para liderar o mercado de serviços digitais, com uma proposta de valor 5P, tornando os aplicativos elementos de diferenciação de nosso portfólio 3P e 4P. E investiremos mais em serviços digitais que facilitem a vida dos nossos clientes”, acrescenta. Quais serão os benefícios aos clientes? Conforme a operadora, a qualidade do serviço está no centro da integração. Presente em 159 cidades, a rede de fibra óptica da GVT será utilizada para aumentar a capacidade da rede móvel da Vivo.Até agora, mais de 24% das torres de transmissão móveis foram conectadas por fibra ótica, o que reflete na qualidade do serviço prestado.

O plano é ampliar este percentual para 30% até o final de 2016. Além disso, 67 rotas de backbone, redes de longa distância que interligam diferentes estados, já foram compartilhadas. Mais de 3.300 links alugados foram migrados para a rede própria, garantindo maior controle e confiabilidade. Ao todo, a rede de fibra óptica da Vivo está presente em 186 cidades, com 16,7 milhões de lares conectados que podem contratar serviços de ultrabanda larga e de TV paga por meio de fibra. No Estado de São Paulo, a rede fixa predominantemente de cobre será parcialmente substituída por fibra ótica que permite oferecer ultravelocidades de banda larga de até 100Mbps.

O objetivo, segundo a empresa, é conectar em 2016, 2,7 milhões de domicílios a este novo modelo de rede. Com uma rede nacional mais robusta, a Vivo ampliou sua capacidade de atendimento também para clientes corporativos. A Vivo Empresas oferece soluções em áreas como segurança digital e cloud computing – grandes prioridades da companhia para o mercado empresarial, além de conectividade para que o cliente aproveite as oportunidades, inove e ganhe mais produtividade.

Investimento no portfólio 3P A Vivo quer impulsionar a venda de seus serviços 3P, com isso pretende oferecer preços mais acessíveis para aqueles consumidores que optarem por pacotes completos de serviços, adquirindo planos que incluam banda larga, telefonia fixa e TV Paga. Este movimento já ocorre desde junho do ano passado, quando as primeiras lojas da marca passaram a vender os serviços integrados. Mas a ideia é que até o final deste ano o número de pontos de venda que comercializam este tipo de serviço subam de 156 para 701 lojas.

Plano de Qualidade A Vivo lançou em julho do ano passado o Plano Qualidade. Ele visa criar um processo de transformação e melhoria contínua da empresa, buscando entender as necessidades dos clientes, identificar indicadores, definir metas e estabelecer um compromisso com toda a organização. A empresa ressalta que com o plano, são acompanhadas as etapas de vendas, ativação, funcionamento, faturamento, atendimento, suporte técnico e cancelamento. Para cada uma, são priorizadas as principais necessidades dos consumidores que necessitam serem atendidas.

A Vivo afirma que atualmente, estão em andamento 118 ações focadas na melhoria da experiência do cliente, sendo que mais de 30 já estão implementadas. Como resultado, em dezembro de 2015, seis meses depois do início do Plano de Qualidade, a Vivo alcançou a melhor nota do Índice de Satisfação do Cliente (ISC) dos últimos 30 meses: 7,39 – alta de 0,33 frente a dezembro de 2014. O ISC é uma metodologia global da Telefónica usada para avaliar a satisfação do cliente de cada operadora do grupo no mundo. O índice é apurado por equipes do Datafolha, Ibope, TNS em cada local e avalia a satisfação dos assinantes com as empresas do grupo Telefónica e dos principais concorrentes. Com a integração das empresas Vivo e GVT, a marca visa a construção de uma nova cultura, única e compartilhada entre os funcionários, elementos que também são fundamentais para o Plano de Qualidade. Para isso estão sendo realizados diversos treinamentos com funcionários, que objetivam a capacitação metodológica em ferramentas focadas no diagnóstico e na solução de problemas de forma mais contínua e sustentável, contribuindo para a maior satisfação dos clientes. Desde março, as equipes das áreas de volume em Serviços ao Cliente, Vendas e Atendimento ao Cliente passaram a receber treinamentos sobre temas relacionados a projetos de integração, unificação da marca, novo portfólio de produtos e mudanças sistêmicas.

A Vivo também tomou a decisão estratégica na área de call center de manter a força de atendimento própria voltada para o relacionamento com o cliente que contrata serviços de maior complexidade e sofisticação, como ultrabanda larga, pacotes de dados nos planos pós-pagos de telefonia móvel e TV por assinatura. A empresa adotará um sistema misto, com centrais próprias e terceiras atendendo segmentos específicos, mas seguindo um padrão único de qualidade que será determinado pelas centrais de atendimento formadas por colaboradores diretos. Para isso, a companhia planeja contratar mais 2 mil operadores de atendimento até 2017, atingindo uma equipe própria de 6,5 mil colaboradores.

Enquanto isso… Na contramão de tantos projetos visando a melhor experiência de atendimento aos clientes, está a decisão da Vivo em impor franquias limitas na internet do tipo ADSL e fibra óptica. Embora a operadora afirme que esta é uma tendência mundial e que visa uma melhor distribuição na internet, onde quem utiliza mais, paga mais pelo serviço, os usuários não estão satisfeitos com a medida e contam com apoio de órgãos de defesa do consumidor, como a PROTESTE e o Prodecon que não apoiam a mudança no modelo de cobrança. Experimentos como este aqui, mostram que mesmo quem utiliza a internet de forma leve, apenas para navegação e redes sociais e pouco acesso à serviços de streaming atingem com facilidade o limite, dependendo do plano contratado. De fato, alguns países como os Estados Unidos adotam franquias limitas, porém, o limite de dados é maior e os valores mensais são mais baixos. A Comcast, maior provedora de internet do país, possui planos de 300GB, cerca de 2,5 vezes o limite máximo ofertado pela Vivo e pela Oi, por preços ainda menores que os brasileiros.

Fonte: oficinadanet

Novos Canais no Ar! na VIVO HDTV Confira:

A partir deste mês de abril a operadora VIVO HDTV estreou  alguns novos canais  que começaram a fazer parte da grade da operadora. Por enquanto não temos muitas informações sobre quais pacotes irão fazer parte, mas qualquer novidades iremos postar aqui no TAD,agora confira abaixo os novos canais da operadora e qualquer dúvida pode entrar em contato diretamente pela central de relacionamento e tirar mais dúvidas!

Foto de Blog da Vivo TV.

SKY/DirecTV Latin America pode ser Vendida pela AT&T!

AT&T planeja vender SKY e DIRECTV na América Latina; Telefônica é a principal candidata a compra das operações do setor.

A semana começou movimentada no setor de telecomunicações com a notícia divulgada pela agência Reuters que a operadora AT&T planeja vender suas operações de TV por assinatura em toda a América Latina. O chefe executivo Randall Stephenson já havia adiantado em uma conferência realizada em dezembro que estaria considerando a venda dos negócios para focar exclusivamente nos Estados Unidos.

Resultado de imagem para at&t directv sky

Com mais de 19 milhões de assinantes de TV por assinatura, o grupo AT&T é um dos principais operadores na região desde o ano passado quando adquiriu a DIRECTV nos Estados Unidos e se tornou controladora da DIRECTV Panamericana, da SKY Brasil e SKY México.

Possíveis Compradores:

VIVO


A companhia espanhola Telefônica, que já atua no mercado brasileiro sob a marca da Vivo, confirmou o interesse em adquirir as empresas. Estimados em mais de 10 bilhões de dólares, os ativos permitiriam que a Telefônica se tornasse o principal operador de TV por assinatura nos países de língua espanhola na América e Europa. Além de melhorar sua posição no Brasil, onde atualmente detém 9,43% do mercado. Com a possível compra, a esta parcela se somariam mais 28,43% do mercado (mais de 5,5 milhões de assinantes).

Liberty Global

Resultado de imagem para Liberty Global

A agência Reuters informa ainda que além da Telefônica, o grupo Liberty Global também estaria interessado em voltar a atuar na região América Latina, adquirindo parte dos ativos das operações de Telecomunicações SKY/Directv.